A saga principal de Mega Man (do 1 ao 9)

Embora tenha perdido espaço entre as principais franquias da Capcom, Mega Man já teve seus tempos áureos. A época de ouro do robozinho azul foi exatamente no começo de sua carreira, com a saga principal que começou em dezembro de 1987 no NES (Mega Man até Mega Man 6), posteriormente migrou para o Super NES (Mega Man 7), ganhou mais um capítulo no Sega Saturn e no Playstation (Mega Man 8) e viu seu último episódio ser lançado recentemente como um jogo para download nas plataformas da última geração (Mega Man 9). Prestes a estrelar mais um jogo – talvez o derradeiro – de sua série principal, Mega Man ganha uma retrospectiva no Baú do Videogame que relembra toda a trajetória do robô antes de Mega Man 10 chegar aos consoles.

Mega Man e Proto Man nas versões do NES, Super NES e Playstation/Saturn

Mega Man (NES – 1987) – Mega Man debutou trazendo a marca registrada da série: dificuldade extrema. O jogo era tão absorvente, porém, que mesmo a quantidade absurda de continues não fez os jogadores deixarem o robô de lado. Nem mesmo o pesadelo dos blocos que desapareciam afastou aqueles que se tornariam fãs da saga, porque a recompensa por percorrer toda uma fase para derrotar um chefe era gratificante – absorver a habilidade do inimigo, algo até então pouco visto nos jogos. Gráficos e cores impecáveis, trilha sonora de primeira, tornou-se um clássico no momento do lançamento. Segundo a história, Dr Wily e Dr. Light brigam e o primeiro rouba os protótipos do segundo e os transforma em máquinas do mal. Os primeiros inimigos, e também alguns dos mais conhecidos, eram Cut Man, Guts Man, Bomb Man, Ice Man, Elec Man e Fire Man.

Mega Man 2 (NES – 1988) – Considerada a melhor edição da série. Fases mais bem projetadas, algumas melhorias gráficas e simplesmente uma das melhores trilhas sonoras dos videogames de todos os tempos. Mega Man 2 não só consolidou a franquia do robô azul como reafirmou a excelência do jogo. O número de níveis a serem completados antes da parte final do jogo passou para oito, ou seja, Mega Man 2 ficou mais longo e havia mais habilidades a serem absorvidas. Pela primeira vez foi possível escolher o nível de dificuldade e foi usado um sistema de passwords, e o modelo não era de uma sequência de letras e números, mas de uma tabela no estilo batalha naval que era preenchida com sinais de cores diferentes. Foram introduzidos os Energy Tanks – reservas de energia – e três ítens que funcionavam como os tiros especiais e eram adquiridos após derrotar um dos chefes, mas que se tranformavam em plataformas para auxiliar o jogador a chegar a lugar inacessíveis. Com a história já consolidada no primeiro Mega Man, esta foi a continuação direta e a justificativa para mais robôs do mal surgirem foi a vontade do Dr. Wily, que quer novamente dominar o mundo. Os inimigos eram Bubble Man, Air Man, Heat Man, Quick Man, Metal Man, Flash Man, Wood Man e Crash Man.

Mega Man 3 (NES – 1990) – No terceiro episódio da série, Mega Man tem de buscar cristais de energia guardados pelos robôs, para no final tudo se revelar um plano de Wily mais uma vez. Em relação à jogabilidade, enhuma alteração a não ser a introdução do ‘slide’, um movimento especial de deslocamento usado para acessar locais estreitos. Mega Man 3 também marcou a estreia do cachorro Rush na saga, quando o companheiro de Mega Man se tranformava em equipamentos como propulsores e submarinos. Foi também a primeira vez que Proto Man, o arquiinimigo do robô azul, entrou em cena. Os inimigos dessa edição eram Spark Man, Snake Man, Needle Man, Hard Man, Top Man, Gemini Man, Magnet Man e Shadow Man.

Mega Man 4 (NES -1991) – Foi neste capítulo que Mega Man apareceu pela primeira vez com uma se suas marcas registradas, o ‘charged shot’. Bastava segurar o botão de tiro e o pequeno projétil de plasma dos outros jogos se tranformava em uma grande  bola de energia. Mas é na trama que Mega Man 4 surpreende. Antes de mais nada, é Dr. Cossack, e não Dr. Wily, que constrói os robôs inimigos, embora tudo se revele um plano do velho nêmesis dos outros títulos. Além disso, o jogo mostra a origem de Mega Man em sua introdução, contando o porquê de Dr Light criá-lo e sua trajetória desde então. Os robôs de Dr. Cossack eram Ring Man, Dive Man, Skull Man,Pharaoh Man, Bright Man, Toad Man, Dust Man e Drill Man.

Mega Man 5 (NES -1992) – Uma das partes que menos teve inovações dentro do jogo, apenas com a introdução de novos equipamentos, mas ainda assim tão boa quanto o resto da série. Proto Man endoidou e sequestrou Dr. Light, o que faz Mega Man ir atrás de seu irmão e, mais uma vez, descobrir que Dr. Wily está por trás dos planos. Dessa vez Mega Man enfrentou Stone Man, Gravity Man, Crystal Man, Charge Man, Napalm Man, Wave Man, Gyro Man e Star Man.

Mega Man 6 (NES -1993) – A despedida de Mega Man do NES. Dessa vez, um tal de Mr. X realiza um torneio com os melhores robôs do mundo e revela posteriormente que só queria reprogramá-los para formar um exército máquinas do mal, o que demanda a interferência de Mega Man. No final da história, descobre-se que Dr. Wily, mais uma vez, era o responsável por tudo. Rush não mais funcionava como equipamentos como  plataformas e jet skis, mas se transformava em melhorias para a armadura de Mega Man. No começo de cada fase, foi introduzida uma ficha técnica para o chefe robô em questão, mostrando seus atributos e técnicas, apenas uma adição para deixar o título mais detalhado. Os adversários do último Mega Man da era 8 bits eram Blizzard Man, Wind Man, Flame Man, Plant Man, Tomahawk Man, Yamato Man, Knight Man e Centaur Man.

Mega Man 7 (Super NES -1995) – Encerrado o ciclo de Mega Man no NES, a Capcom conseguiu continuar a série com maestria com a única edição da saga no Super NES – sem contar a série Mega Man X.  Obviamente o jogo passou por uma reforma gráfica e ganhou bastante qualidade sonora, mas elementos como detalhes, cores e até alguns inimigos foram preservados. Quanto à jogabilidade, porém Mega Man 7 representou uma mudança intensa. Embora continuasse nos mesmos moldes que consagraram a série, as fases ficaram mais curtas e a intensidade do jogo foi diminuída, o que reduziu também a dificuldade extrema das outras edições.  Uma das inovações nos controles foi o uso dos botões L e R para selecionar as armas, o que facilitou em muito a vida dos jogadores. Mega Man também recebe alguns equipamentos como um jatpack e o escudo de  Proto Man. A história segue sem novidades por parte do Dr. Wily, que mais uma vez cria oito robôs. A surpresa fica por conta da primeira vez que Bass, um dos personagens mais misteriosos da série, aparece. Os inimigos, que doram divididos em dois grupos de quatro, eram Burst Man, Spring Man, Slash Man, Junk Man, Turbo Man, Shade Man, Cloud Man e Freeze Man.

Mega Man 8 (Saturn e Playstation -1996) – Bastante próxima do jogo do Super NES, a edição de comemoração dos 10 anos do robô azul do Playstation e do Saturn levou as tradições da série para uma nova geração de consoles. O esquema era o mesmo: derrotar robôs para ganhar armas especiais e no fim de tudo derrotar Dr Wily. Várias novas habilidades foram introduzidas – inclusive uma bola para lembrar Mega Man Soccer – e, obviamente, Mega Man 8 veio a ser o mais complexo jogo da saga até então. Mas apesar de bastante difícil, não chegava ao nível de dificuldade dos primeiros jogos. As capacidades técnicas dos consoles em que foi lançado permitiram sequências animadas na introdução e no final do jogo, além de provocações dos inimigos e pequenas falas dos personagens. Mesmo com o poder para fazer um título em 3D, o modelo de duas dimensões permaneceu com detalhes riquíssimos e fluidez impressionante. Os inimigos dessa vez eram Aqua Man, Astro Man, Clown Man, Frost Man, Grenade Man, Search Man, Sword Man e Tengu Man.

Mega Man 9 (Wii, PS3 e Xbox 360 – 2008) – Mais de duas décadas depois do lançamento do primeiro jogo, Mega Man volta às origens e dá as caras na nova geração em sua forma pixelada. A Capcom conseguiu reproduzir com fidelidade a atmosfera dos tempos do NES dos gráficos e sons ao estilo e os moldes do jogo. Inimigos clássicos e nivel de dificuldade altíssimo, exatamente como nos primeiros games, e ainda colocou Proto Man como um personagem selecionável e secreto. Uma inovação introduzida foram os ‘achievements’, desafios que o jogador deveria cumprir dentro do jogo, e a opção de comprar vidas, energia e ‘power-ups’ entre a escolha das fases foi retomada. Dessa vez, Dr. Wily convence robôs cujo prazo de licença está prestes a vencer a se rebelar contra as autoridades. Os inimigos são Jewel Man, Galaxy Man, Tornado Man, Concrete Man, Magma Man, Plug Man, Hornet Man e Splash Woman o único “robô feminino”.

E para deixar um pouquinho de Mega Man 10, aí vão os inimigos confirmados do jogo: Comando Man, Pump Man, Strike Man, Blade Man, Sheep Man, Solar Man, Chill Man e Nitro Man. A criatividade para criar novos robôs parece inesgotável!

Mega Man 10 chega ao Wiiware no dia 1º de março e na Live e na PSN no dia 10. Não deixe de contemplar os clássicos antes de jogar o novo título, e aproveite para acessar o arquivo fo Baú do Videogame e ver o texto sobre o desenho animado do robô azul da Capcom! E para encerrar, uma fanart de Mike Matei, desenhista famoso pelas introduções artísticas dos vídeos do Angry Videogame Nerd, todos os inimigos robôs até Mega Man 6.

Anúncios

Metal Gear – Do começo ao fim

Já ouviu falar sobre um jogo de espionagem tática que revolucionou os videogames, em especial a plataforma Playstation? Algum amigo teu falou da história de um tal de Snake que, com uma faixa na cabeça idêntica a do Rambo, enfrenta um robô gigantesco armado com ogivas nucleares? O Baú do Videogame apresenta um apanhado geral das histórias de cada um dos jogos da série Metal Gear criados pelo mestre da Konami no Japão, Hideo Kojima. Confira detalhes em ordem cronológica (de acordo com os games, não com os anos de lançamento):

Metal Gear Solid 3: Snake Eater (e Subsistence)
Playstation 2
Ano de lançamento – 2004

Kojima escreveu este enredo para ser a data 0 de toda a série Metal Gear. O ano é 1964 e um agente das forças especiais Fox é enviado para a União Soviética. Seu nome é Jack, sem sobrenome ou passado além dos registros na CIA, e o apelido Snake, dado por sua mentora, Boss. Ele é auxiliado por Major Zero e toda uma equipe para resgatar o cientista Sokolov das mãos inimigas, em plena Guerra Fria. A operação, conhecida como Virtuous Mission, falha quando Boss se revela uma traidora e leva Sokolov novamente aos russos, entregando dois foguetes nucleares Davy Crocket de brinde a um dos maiores militares soviéticos, o Coronel Volgin.

Volgin detona dois mísseis em duas cidades russas e culpa os EUA pelo incidente. Snake é novamente enviado, dessa vez para enfrentar sua própria mentora e o Coronel Volgin, em uma segunda operação batizada de Snake Eater. Sokolov é usado para desenvolver um projeto chamado Shagohod, um robô-tanque capaz de lançar mísseis nucleares em massa. Essa máquina é um pré-Metal Gear, que será desenvolvido nos EUA.

Todos os elementos que consagram qualquer episódio da série estão nesse capítulo.

Metal Gear Solid: Portable Ops
PSP
Ano de lançamento – 2006

Seis anos depois da operação Snake Eater, 1970, a FOX foi desmembrada do governo americano pela CIA e Big Boss (o agora veterano de guerra Snake) e seu chefe Major Zero são dados como traidores. Fugindo de uma prisão com um ex-boina verde (divisão especial do exército), Roy Campbell, Snake deve conter uma rebelião de simpatizantes soviéticos na Colômbia. Seu líder é um soldado modificado chamado Gene, também líder da nova formação da FOX.

O protótipo ICBMG é o primeiro Metal Gear da cronologia oficial da série, chamado também de RAXA. Gene usa essa máquina dentro de um complexo chamado Army´s Heaven, o primeiro paraíso militar para soldados mercenários na história de Metal Gear Solid. Ocelot é revelado como um agente duplo que auxiliou tanto Gene quanto Snake ao longo do confronto.

Os mercenários recrutados por Jack Snake contra Gene vão formar uma nova força especial americana chamada FOXHOUND, com auxílio de Revolver Ocelot, Major Zero, um rapaz chamado Null (futuramente Gray Fox) e Roy Campbell. O jogo também lida com o mistério de quem são os Patriots, pouco antes do lançamento de MGS4.

Metal Gear Solid: Peace Walker
PSP
Ano de lançamento – 2010

Previsto para ser novidade neste ano, Peace Walker tem a mesma tática de espionagem em grupos, como em Portable Ops. A história se passa na Costa Rica, em 1974, com Snake desiludido com o governo americano e liderando um grupo de mercenários chamado Militaires Sans Frontières, ou Militares Sem Fronteiras (MSF). Kazuhira Miller, conhecido como Master, é um dos líderes desse novo grupo.

A família Emmerich aparece pela primeira vez nesse jogo. Como desenvolvedor de um Metal Gear, Huey é pai do doutor Hal, conhecido como Otacon, que ajudará Solid Snake, filho de Big Boss (Snake). Toda a trama ocorrerá em uma tentativa de pacificar a Costa Rica, tendo a milícia local e a atuação do MSF. O MSF, como a história de Metal Gear mostra, formará a Outer Heaven, a primeira organização clandestina e terrorista liderada por Big Boss, no auge de sua revolta contra os EUA e a manipulação da Guerra Fria.

Metal Gear
MSX2, NES, PC MS-DOS, Commodore 64, Celular, GameCube, Playstation 2
Ano de lançamento – 1987

Primeiro jogo criado da série, em gráficos 2D. Mandado para a base Outer Heaven, a 200 metros do norte de Galzburg, África do Sul, o novato Solid Snake executa a operação Intrude N313. Membro da FOXHOUND, em 1995, ele deve resgatar o veterano Gray Fox, sequestrado no local.

A operação começa a resultar em problemas com a volta de Big Boss, seu chefe na FOXHOUND, traindo a corporação e assumindo o controle de um Metal Gear, descrito por Fox em relatórios ao governo americano. Solid Snake deve resgatar o Dr. Pettrovich, criador da máquina, e sua filha, Ellen.

Metal Gear 2: Solid Snake
MSX2, Celular, Playstation 2
Ano de lançamento – 1990

Solid Snake é enviado até Zanzibar Land (um local fictício, e não a ilha de Zanzibar que fica na Tanzânia, África) para dar fim a outro Metal Gear, o modelo D, seqüestrado em 1999. Seu tutor na FOXHOUND, com a traição de Big Boss, é o Coronel Roy Campbell, um dos fundadores do grupo, junto de (Kazuhira) McDonnell Miller. No local, Snake se vê não só contra Big Boss, mas também contra seu parceiro de muitas operações, Gray Fox.

O jogo trouxe uma reviravolta em toda a cronologia da série ao mostrar o parentesco real entre Big Boss e Solid Snake. Mas isso só seria revelado, com mais detalhes, no jogo seguinte.

Metal Gear Solid
Playstation, PC Windows, GameCube (com o subtítulo The Twin Snakes)
Ano de lançamento – 1998

A revolução de Hideo Kojima veio com esse jogo: os primeiros gráficos 3D da série, primeiros atores profissionais a incorporarem personagens e a trilha sonora de Harry Gregson-Williams, consagrado em Hollywood. Solid Snake estava aposentado, vivendo na neve do Alasca, quando é convocado por Roy Campbell para uma última missão.

O roteiro é digno dos maiores filmes de ação. Snake descobre que foi parte de um projeto chamado Genome Soldiers, vários soldados clonados de um único herói: Big Boss. Na neve em que vive, um novo terrorista se refugiou na área. Seu nome-código é Liquid Snake e, aparentemente, é irmão gêmeo de seu semelhante Solid.

Com uma equipe formada por Psycho Mantis, Vulcan Raven, Sniper Wolf e – pasmem – Revolver Ocelot, Liquid forma uma nova divisão da FOXHOUND e planeja atacar o governo americano finalizando a construção do Metal Gear modelo Rex e de uma base que promete ser a nova Outer Heaven, o sonho militar de Big Boss. A insurreição será na ilha de Shadow Moses.

Para que Liquid não solte as orgivas nucleares de Rex, o terrorista faz a seguinte negociação: US$ 1 bilhão e os restos mortais de Big Boss, para criar mais Genome Soldiers além dos que ele recrutou para sua base. Snake é mandado justamente para eliminar Liquid Snake sem que haja uma negociação. Um confronto entre irmãos.

Metal Gear Solid 2: Sons of Liberty (e Substance)
Playstation 2, Xbox, PC Windows
Ano de lançamento – 2001

Esse jogo se divide em duas histórias:

2007 – Solid Snake está sozinho e sem nenhum apoio do governo dos EUA. Ele fundou, junto com Hal Emmerich (Otacon), cientista criador da Metal Gear Rex, um grupo anti-belicista chamado Philanthropy. Infiltrado em um navio cargueiro embaixo da ponte George Washington, em Nova Iorque, Snake descobre um novo modelo da marinha americana, o Metal Gear Ray.

No mesmo navio, russos ex-soviéticos liderados por Sergei Gurlukovich e Revolver Ocelot pretendem roubar o modelo. Naquele mesmo ano, descobre-se que George Sears, o presidente dos EUA, é na verdade Solidus Snake, um mercenário criado pelo projeto Genome Soldiers.

2009 – Um novato chamado Raiden é enviado para um complexo chamado Big Shell, no mesmo local onde um cargueiro naufragou. Nessa ilha, o agente da FOXHOUND terá que enfrentar um grupo terrorista chamado Sons of Liberty, liderado por ninguém mais ou menos que Solid Snake.

Metal Gear Solid 4: Guns of Patriots
Playstation 3
Ano de lançamento – 2008

O ano é 2014 e esta é, definitivamente, a última missão de Solid Snake. Envelhecido por um problema genético e afetado pelo vírus FOXDIE, implantado durante a operação Shadow Moses por Naomi Hunter contra Liquid, em 2005, ele só tem alguns meses de vida. Recrutado por Roy Campbell, ele deve destruir uma entidade que se entitula Liquid Ocelot, o próprio Ocelot com a personalidade de Liquid Snake em seu corpo.

Na missão, descobre-se que seu parceiro Raiden recebeu implantes ciborgues, semelhantes aos de Gray Fox em Shadow Moses, e está em busca dos restos mortais de Big Boss. Ocelot, dono de tropas mercenárias privadas (PMCs) e de pequenos Metal Gears chamados de Gekkos, pretende barrá-lo nesse resgate. Snake tem a ajuda de Otacon e de Sunny, filha de Olga Gurlukovich.

O jogo fecha todas as pontas soltas acerca da vida de Solid Snake, mas deixa outras continuações em aberto.

Encerrando

Todas as storylines citadas tiveram o intuito apenas de situar o leitor nessa história confusa, porém fascinante, que contorna Metal Gear. Tivemos o cuidado de manter ocultos os spoilers de cada jogo. Portanto, se algum deles te interessou, não pense duas vezes antes de jogar.

Abaixo, você pode ver um tributo à série Solid de Metal Gear, feito por um fã com a música Way to Fall, da banda Starsailor, que fez trilha sonora de MGS3.

Séries

Há jogos que constroem verdadeiros legados ao ganharem sequências e ficam eternizados na história dos videogames, angariando fãs que fazem questão conhecer a série do início ao fim. Nesta seção faremos retrospectivas das principais séries dos videogames, relembrando cada jogo de forma breve, mas sem deixar os principais detalhes de lado. Aqui serão encontradas somente as memórias de franquias inteiras, mas textos mais profundos sobre cada um dos jogos poderão ser encontrados nas demais categorias.